Desenvolvimento da Comunicação e da Linguagem no Autismo  

Enquadramento acerca da Perturbação do Espetro do Autismo no Mundo

e Critérios de Diagnóstico

Começo esta notícia por me dirigir diretamente ao leitor, informando-o que a mesma faz parte de uma sequência de outras notícias que terá a oportunidade de ler nos meses advindos. Estas notícias, apesar de enquadradas na mesma temática e apresentarem uma ordem lógica na sua edição, não necessitam necessariamente de ser lidas de forma encadeada para que possam ser compreendidas, apresentando cada uma delas uma contextualização do assunto a tratar.

Por conseguinte, começamos aqui a nossa abordagem sobre uma das patologias que mais fulgor e atenção mediática tem ganho nos últimos anos, a Perturbação do Espetro do Autismo (PEA) e faremos o seu enquadramento na realidade atual.

De acordo com a Hartley, et al., (2011) a deficiência faz parte da condição humana sendo que quase todas as pessoas, eventualmente, experienciarão no decorrer da sua vida, uma deficiência temporária ou permanente. A Organização Mundial de Saúde (OMS) citada pelo mesmo autor conclui, num estudo que envolveu a colaboração de 59 países, que cerca de 15,6% dos indivíduos com idade igual ou superior a 18 anos apresentavam algum tipo de deficiência ou incapacidade, ou seja, cerca de 650 milhões de pessoas numa amostra de 4,2 biliões, contudo, pode-se estimar que este valor ronde os 10% da população mundial em tempo de paz. Para analisar a realidade Portuguesa, precisamos de olhar aos dados de 2001, últimos dados publicados pela “Base de Dados Portugal Contemporâneo” comummente denominada pelos “Censos”, para perceber que existiam à data 636 mil e 069 portugueses com algum tipo de deficiência numa amostra real de 10 milhões 356 mil e 117 pessoas, ou seja 6,14% da população portuguesa. Tentando estabelecer um paralelismo com a realidade atual (2021), sabemos que residem agora em Portugal 10 milhões 343 mil e 066 pessoas que, caso a proporção se mantenha aproximada, significam cerca de 635 mil e 064 pessoas com algum tipo de deficiência. Neste último ponto poderemos apenas, por agora, especular.

Duarte (2011) citando Fombonne (2009) indica que a prevalência mundial do PEA é de 70 casos a cada 10.000 habitantes sendo que em Portugal os dados mais recentes apontam para 0,5% num total de 50 mil pessoas, dados estes que são assinalados por Martins (2020) numa notícia ao Jornal “Expresso”. A autora afiança ainda que acredita que este número é por defeito inferior ao número real, rematando que após a publicação do estudo que se encontra em fase de conclusão, se poderá observar outro tipo de indicadores.

No que respeita à patologia propriamente dita, Bandeira de Lima (2018) define a PEA como uma patologia do neurodesenvolvimento caracterizada por lacunas na comunicação e interação social e alterações comportamentais que impactam negativamente na reciprocidade socio-emocional, no uso de ferramentas comunicativas não verbais (ex: olhar, gestos, etc.) e na sua integração com a comunicação verbal (ex: fala) de forma a regular a interação social. Podem estar, ainda, associadas restrições ao nível da compreensão, iniciação e manutenção das relações sociais. O mesmo autor, citando a American Psychiatric Association (APA) (2013) escreve que, no que à componente comportamental diz respeito, evidenciam-se os comportamentos característicos (individualistas), interesses ou atividades restritas e repetitivas que interferem de forma invasiva no normal funcionamento do indivíduo. Isto acontece devido às particularidades da arquitetura cerebral dos portadores de PEA, nomeadamente na sua modelagem atípica e menos organizada proporcionando circuitos de funcionamento também eles atípicos, bem como desconexões entre grupos de neurónios, tornando a comunicação entre estes, irregular e desequilibrada. Estas características provocam um hiper e/ou hipofuncionamento neurológico, resultando no alto interesse por determinados temas negligenciando outros (Zaupa, et al., 2022 citando Brites & Brites (2019)).

Pedro Barros,

Terapeuta da Fala

Notícias Relacionadas

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024
Skip to content