A GAGUEZ NAS CRIANÇAS – parte I

Cartaz ilustrativo com rapaz a gritar para um microfone

“Tenho medo que o meu filho tenha problemas. Imagina que é gago!”

“A minha filha é tão faladora, sempre falou tão bem, mas agora gagueja muito! Será que vai ser gaga?”

Frases como estas são ditas e ouvidas todos os dias, em vários locais e proferidas por pessoas de todos os estatutos sociais. Mas porque é que a sociedade olha para isto como um problema assim tão grave? E é efetivamente um problema assim tão limitador? É ou não possível evitar? Neste artigo de opinião vamos abordar estas e outras questões que passam frequentemente nas cabeças de pais ou futuros pais.

Primeiramente, o que é a gaguez?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a Perturbação da Fluência, comumente designada por gaguez, é uma alteração da fluência do discurso oral e verbal que tem impacto no ritmo normal da fala e que se caracteriza pela presença de repetições de palavras e/ou partes de palavras, prolongamentos de sons, pausas inesperadas e por bloqueios de sons da fala, podendo estar ou não associados a comportamentos corporais ou faciais atípicos, tensão muscular excessiva, utilização de circunlóquios (utilizar outras palavras para fugir à utilização de uma outra em que a pessoa acha que vai gaguejar) e ainda mau autoconceito. Importa esclarecer ainda que a gaguez pode apresentar um cariz desenvolvimental ou ser adquirida.

A denominada desenvolvimental é a mais frequente, ocorrendo na infância e tendo por base para o seu aparecimento um importante impacto dos fatores de base genética e hereditária (60% das pessoas que gaguejam têm alguém na família que também o faz). Por sua vez, a adquirida é a menos frequente e pode estar associada a fatores psicológicos ou neurológicos, podendo ter início em qualquer momento da vida. Mesmo que se verifique que o leitor não é uma pessoa que gagueja, nada o impede que, por qualquer motivo, não possa vir a ser.

Neste artigo, e pela razão de ingressar a temática da Intervenção Precoce, vamos debruçar-nos mais sobre a desenvolvimental, ou seja, aquela que surge na criança e que acompanha o seu desenvolvimento sem por qualquer causa traumática e/ou aguda aparente.

A gaguez desenvolvimental é uma patologia sobre a qual ainda não se sabe tudo e sobre a qual muitas questões permanecem por ser respondidas. Ainda assim, uma boa parte do caminho já foi desbravado e é possível afirmarem-se determinados factos. O primeiro é que está igualmente distribuída e é transversal por todas as culturas, grupos étnicos e condições sociais, ou seja, acontece com a mesma frequência em todas as culturas e etnias espalhadas pelo mundo, sejam elas mais ou menos ricas. Sabe-se também que é mais frequente nos homens que nas mulheres e que se estima que, por todo o mundo, haja 70 milhões de pessoas com esta característica.

Quais as causas?

Apesar de não existir consenso científico acerca da origem da gaguez, pensa-se que poderá ser o resultado de fatores biológicos, psicológicos e sociais e, ao contrário do que é comummente afirmado pela “sabedoria popular”, não deriva de sustos ou outros que tais. É também factual que existe um peso importante das características genéticas e hereditárias, como suprarreferido, para a predisposição do aparecimento da gaguez. Contudo, fatores psicológicos, físicos e sociais apresentam um impacto importante. Digamos que existem contextos mais ou menos potenciadores desta predisposição genética, nomeadamente locais onde exista uma maior pressão para o bom desempenho da pessoa que gagueja e a frequência de locais em que sejam desvalorizados os feitos que a criança consegue e valorizados os momentos de gaguez ou de um desempenho menos bom.

(Continua no próximo mês)

Pedro Barros, Terapeuta da Fala da A2000

Notícias Relacionadas

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024
Skip to content