A minha experiência em FPCT  

Cláudia Monteiro,

Sou a Cláudia Monteiro, tenho 25 anos e moro em Gestaçô, uma freguesia do concelho de Baião. Iniciei a minha Formação Prática em Contexto de Trabalho (FPCT) no dia 06 de setembro de 2021, no Centro Social e Paroquial de Santa Cruz do Douro. Nesta instituição desempenho funções de higienização de espaços e ajudo as outras funcionárias na creche. Apesar de passar a maior parte do tempo na creche ajudo em tudo o que é necessário e, por vezes, também vou para a sala dos meninos de dois anos e para o apoio domiciliário.

 Antes da FPCT, frequentei um ano de formação em sala. Nesse ano, tive a oportunidade de aprender coisas novas e relembrar aprendizagens já esquecidas mas, acima de tudo, de me preparar para o mundo do trabalho. Estes conhecimentos têm sido muito importantes para que o meu estágio esteja a correr bem e eu estou muito contente. No Centro Social aprendo todos os dias coisas novas, e o contacto com as crianças faz-me muito feliz! Esta instituição foi a minha primeira escolha e não estou nada arrependida, porque trabalhar com estas crianças é algo maravilhoso, elas dão tanto amor e carinho! Eu adoro o que faço! As crianças são o meu mundo, a minha alegria!

Não posso esquecer as funcionárias, as educadoras e todas as pessoas do Centro Social e Paroquial. São maravilhosas comigo, acolheram-me, acreditaram em mim e todos os dias me ajudam a desempenhar as minhas funções. Gosto muito de todas e sou muito grata por tudo o que fazem por mim.!

Gostava muito de ficar a trabalhar no Centro Social e Paroquial, porque sinto que faço parte desta casa e gosto muito de crianças e de todas as pessoas que lá trabalham.!

Quero ainda agradecer a toda a equipa da A2000, que está sempre presente em todas as dificuldades e em todas as conquistas, são excecionais!

Muito obrigada à A2000 e ao Centro Social e Paroquial de Santa Marinha do Zêzere por todo o carinho, pela oportunidade e pelas palavras bonitas!

Cláudia Monteiro

Alguns testemunhos das colaboradoras do Centro Social e Paroquial de Santa Marinha do Zêzere…

“A Cláudia é uma menina simpática, sempre disposta a ajudar, não se nega a nada, dá sempre o seu melhor.” Márcia Barros

“A Cláudia é uma menina bem-disposta e sempre pronta a ajudar.“ Catarina Pereira

“A Cláudia é muito prestativa e dedicada.”  Vera Silva

 “A Cláudia é uma menina muito bem-disposta, sempre com um sorriso no rosto. Está sempre disposta a ajudar no que for preciso.” Juliana Amorim

“A Cláudia está sempre pronta a ajudar com um sorriso no rosto. É muito prestável, dinâmica e amiga das crianças. Está a desempenhar um bom estágio.”  Lúcia Lisboa

“A Cláudia é uma menina muito simpática e dedicada, esta sempre pronta a fazer o que lhe pedem.” Estela Dias

“A Cláudia é alguém que se esforça diariamente por fazer o seu melhor. Aprende rápido, embora por vezes se sinta insegura em realizar as tarefas, por isso estou lá eu para lhe dar um “empurrão”. Incentivo-a diariamente para que se torne mais autónoma e capaz de gerir os obstáculos que lhe aparecem pela frente. É uma boa menina, sempre pronta a ajudar!” Sónia Borges

Cláudia Monteiro, Curso 1- Ação 9– Assistente Operacional

Centro social e Paroquial de Santa Marinha do Zêzere

O Centro Social e Paroquial de Santa Marinha do Zêzere, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social fundada em 2000, pelo Padre António Moreira Barbosa, cuja ação se foca na resposta às necessidades das crianças e idosos, do concelho de Baião. Neste sentido, as respostas sociais são a Creche e o Serviço de Apoio Domiciliário.

A Creche é uma valência educativa, direcionada para crianças dos 3 aos 36 meses e tem como finalidade proporcionar o desenvolvimento integral da criança num clima de segurança afetiva e física, durante o afastamento parcial do seu meio familiar.

O Serviço de Apoio Domiciliário é uma valência que contribui para a promoção de autonomia e a prevenção de situações de dependência ou seu agravamento através da prestação de cuidados individualizados e personalizados no domicílio, a indivíduos e famílias, quando não possam assegurar temporária ou permanentemente a satisfação das suas necessidades básicas e/ou a realização das atividades instrumentais da vida diária.

Notícias Relacionadas

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024
Skip to content