A PRIMAVERA: UMA PANDEMIA DE MUDANÇAS…UMA BAZUCA DE OPORTUNIDADES!

António Ribeiro, presidente da A2000

O mês de março acomoda o início da Primavera e com ela um ciclo de mudanças que envolvem, sem exceção, todos os seres vivos.

Efetivamente tudo muda, os dias crescem, a luz solar aumenta, as temperaturas sobem, as flores pintam-se de várias cores, as árvores vestem-se, os pastos renascem, os pássaros chilreiam, os animais reproduzem-se, as sementeiras organizam-se e as pessoas, por norma, sorriem com mais motivação, satisfação e esperança… é claramente uma pandemia de mudanças, com variantes para todos os gostos e feitios.

A primavera inicia-se instigando as mudanças e à mudança de tudo. Trata-se pois do início dum ciclo que se enxerga positivo! Parece que de um dia para o outro surgem novas oportunidades, novas vidas, novas alegrias e novas esperanças com um débito digno de uma bazuca que não deixa ninguém indiferente.

Refletindo e valorizando a vida e a dignidade com que devemos encarar tudo o que nos rodeia e envolve, temos como exemplo as 4 estações do ano (Primavera, Verão, Outono, Inverno), todas elas integram o ciclo da vida com registos distintos e em clara complementaridade. Nenhuma das estações do ano faz sentido sem a existência as outras, o que nos leva para um patamar de reflexão de que tudo é composto por ciclos que, embora nem sempre nos agradem com a mesma satisfação, devemos acolher, não como uma inevitabilidade, mas com o sentido prático e imperativo de necessidade e, da lógica de que aquilo que podemos mudar é a forma como olhamos e processamos a realidade: a nossa perceção!

As 4 estações do ano existem independentemente do estado de espírito das pessoas e, não depende delas (nunca) a sua alteração ou ordenação. O que realmente está ao nosso alcance é mesmo a forma como podemos olhar e sentir aquelas realidades: podemos adaptar a nossa existência, podemos vestir mais roupa no Inverno ou ligar o aquecimento, mas não podemos mudar o Inverno…

Nesta senda, o ideal será encararmos estes ciclos e lógicas de mudança agarrados à bazuca de oportunidades, colocando todo o esforço e transpiração no trabalho que elas implicam. É como uma espécie de automatismo para nos ajudar a transformar as realidades que percecionamos. Não é possível mudar o meio físico, mas é possível mudar o nosso olhar, o sentimento, a nossa perceção…

Assim sendo, até parece que o difícil se transforma em fácil! Nada disso, o difícil continua difícil e é necessário atacá-lo com a bazuca de oportunidades, é necessário mudar a perceção desse difícil e encará-lo como fazendo parte de um ciclo e, que depois da Pandemia vem uma Primavera de mudanças e uma bazuca de oportunidades.

António Ribeiro, Presidente da Direção

Notícias Relacionadas

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024
Skip to content