A2000 em Formação Interna …

Colaboradores da A2000 em formação interna

O Inquérito Apreciativo (IA) é uma abordagem que apela à memória dos nossos sucessos, do que funciona bem na nossa equipa, no nosso modo de trabalhar.

Um paradigma que surge no âmbito das organizações, como estratégia para a mudança em alternativa à “resolução de problemas” David L. Cooperrider, um dos seus fundadores, apela para que prestemos especial atenção ao melhor do nosso passado e presente, para promover um imaginário coletivo do que poderia ser. O Inquérito Apreciativo permite-nos precisamente ter consciência do valor, força e potencial que há em nós e nos outros. 

Em 1997 Luís Miguel Neto (Professor universitário do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP)) trouxe para Portugal a metodologia do Inquérito Apreciativo que se foca onde a organização pretende chegar, tendo em conta os momentos altos que já teve. Podemos sempre melhorar, mas é fundamental ver o que já está a funcionar. Tal abordagem dá-nos então a consciência do que temos feito e conseguido. Ganhamos confiança em nós para nos permitirmos ter mais momentos de sucesso.

A concretização do Inquérito Apreciativo inclui questões que: Discriminam os melhores momentos e situações do desempenho das pessoas; Especificam os tópicos mais relevantes no funcionamento das organizações, grupos e comunidades; Pretendem amplificar e generalizar aqueles momentos experiencial e funcionalmente mais relevantes.

Assim, a formação interna do dia 1 de agosto na A2000 começou pela apresentação das noções básicas sobre o Inquérito Apreciativo (suas 4 dimensões: Descoberta, Sonho, Design, Implementação) e como aplicá-las em diferentes momentos em que seja necessário olhar a realidade/problema/ conflito/ equipa por um prisma mais construtivo e positivo.

Como a A2000 é “feita de pessoas”  e  como trabalha com, e para pessoas, é frequente surgirem  dificuldades relacionais: Conflitos. O Inquérito Apreciativo  aborda  o conflito como um momento de reflexão e uma oportunidade de mudança pessoal, do grupo, da organização, conduzindo a uma reformulação do conceito de grupo, dos compromissos, das responsabilidades e mudanças a implementar no trabalho de cada um para que se alcance, em pleno, o trabalho de equipa.

No dia 2 concluíram-se os trabalhos sobre o que os colaboradores da A2000 identificam como sucessos, apresentaram os seus sonhos para a A2000, planearam como pretendem implementá-los e, introduziu-se o conceito de Avaliação de Impacto na área de intervenção social. Nesta área a Avaliação de Impacto vai indagar: Quais os Efeitos Duradouros ou Estruturais que perduram; Quais os Efeitos Indiretos e Inesperados do projeto/atividade, durante ou após este, que afetaram cada um dos intervenientes (clientes, colaboradores, parceiros, comunidade, organização, etc.). Fez-se um exercício prático com a necessária definição de Indicadores/critérios de avaliação de impacto qualitativos e o estabelecimento de critérios quantitativos para cada um. De tarde fez-se um exercício em pequenos grupos para análise da A2000 à luz dos indicadores do EQUASS, para ver quais os Princípios onde há mais fragilidades.

No dia 3 reuniram-se apenas os colaboradores com menos de 12 meses de casa e contou-se a “história da conceção e nascimento da A2000” e como cada tropeço serviu de alavanca para a projetar. Abordou-se o o Modelo de Qualidade de Vida e o Plano Individual, seu preenchimento, definição de objetivos SMART, etc., porque é um instrumento importante e que requer o envolvimento de todos.

 Marina Teixeira, Diretora Técnica

Depoimento da colaboradora Eliana Medeiros, sobre a formação interna:

A formação interna abordou o Trabalho em equipa, o Inquérito Apreciativo; a Avaliação de Impacto; os Princípios e Indicadores do EQUASS, mas vou referir aquilo que foi mais impactante para mim: “Daqui para a frente só depende de cada um de nós…” – foi a frase de abertura do dia 1 de agosto, a qual deixou os colaboradores a pensar… Depois na abordagem ao trabalho em equipa referiu-se que este segue um ciclo de 5 estádios (a constituição, a tempestade, o normativo, a cooperação e a realização)por isso os “conflitos” fazem parte, o importante é reformular e encará-los como uma oportunidade para criar uma relação de trabalho ideal.

Falou-se na Autoaceitação, ou seja, aceitar o que sou e focar no que posso mudar, pois o importante é o uso que damos àquilo que temos. Um insucesso pode ser visto como um grande contributo para que se possa melhorar e não voltar a fazer o mesmo.

A Avaliação de Impacto social, na perspetiva de Roque Amaro pretende perceber o que continuou depois de acabar o fim do projeto, ou seja avaliar o que permaneceu ou floresceu, com todos aqueles que direta ou indiretamente interagiram no e com o projeto.

De uma forma geral, as abordagens efetuadas permitiram reforçar a ideia que o trabalho em equipa é importante para atingirmos o objetivo em comum e ao mesmo tempo; pegarmos nas contrariedades para melhorarmos a nossa participação e envolvência na equipa e na comunidade. Melhorando desta forma, a nossa ação enquanto agentes de mudança na vida dos que mais precisam.

Eliana Medeiros, Técnica de Serviço Social

Notícias Relacionadas

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024
Skip to content