Como educar uma criança para que se sinta segura

Cartaz com crianças em formato de desenho animado

Os primeiros anos de vida são repletos de desafios e exigências, e é na superação dos mesmos que a criança desenvolve as suas competências cognitivas, emocionais e sociais.

Quando estes desafios e exigências são demasiado para a criança, ou esta não tem competências suficientes para os superar, o seu desenvolvimento pode ficar comprometido. Neste sentido, hoje vamos abordar as consequências emocionais na criança quando estas não conseguem gerir essas mesmas exigências e desafios.

Este é um tema muito abrangente e que teremos oportunidade de continuar a explorar em outras edições, mas hoje vamos falar da insegurança da criança, como se manifesta e algumas estratégias a pôr em prática em casa, pelos pais.

Todos nós sabemos que as crianças não têm a mesma capacidade que o adulto para se expressar verbalmente, daí que a forma que as crianças usam para demonstrar que algo não está bem é através de sinais/sintomas que tão bem conhecemos.

Formas de a insegurança se manifestar:

 Comportamento agressivo com os pais e/ou pares;
 Birras;
 Medos;
 Enurese noturna (fazer xixi na cama);
 Dificuldades em dormir;
 Perda de apetite ou apetite excessivo;
 Choro fácil;
É muito importante ter em atenção que todas estas formas de manifestação podem acontecer em crianças sem qualquer tipo de problema, cabendo aos pais, educadores e demais técnicos, discriminar se estas alterações são ou não normais e adequadas à etapa de desenvolvimento em questão. É importante que, em qualquer dos casos, não se desvalorize a criança, tentando sempre perceber o porquê de determinado comportamento.

Estratégias para educar contra a insegurança

Não generalizar: uma coisa é a criança fazer algo errado, outra é ele ser “rotulado” como alguém que faz sempre tudo errado. Uma coisa é o que ela é, outra é o que ela fez! Por exemplo, a criança deixou cair um copo, não é por isso que ela é sempre trapalhona. A criança esqueceu-se de arrumar a mochila, não é “cabeça no ar”.
Quando der uma ordem ou fizer um reparo, faça-o com carinho, de forma a educar a confiança da criança.
Não ironizar, a criança não percebe uma ironia: “Sim senhor, fizeste um lindo serviço”, para se referir a algo de errado que a criança fez.
Não fazer dela o centro das atenções, mas deixar que brilhe quando está no grupo: dê-lhe espaço e tempo para se ambientar e poder contar uma história/ fazer uma dança!
Falar com a criança sobre ela, aquilo que gosta, as suas características, os seus gostos, os seus amigos… ela é única e deve gostar dela própria, desta forma estamos a promover a sua autoestima, uma das maiores ferramentas para lidar com a insegurança.
Fazer elogios sempre que faz algo correto. Se fizer algo errado não a desencorajar nem dizer “não é assim que se faz”, prefira antes “está bem, mas tu és capaz de fazer melhor, ora tenta!” Evite utilizar a palavra “NÃO”, vamos educar pela positiva.
Dizer o quanto a ama, abrace-a, dê-lhe beijos e mime-a.
Dedique-lhe tempo, faça perguntas e escute com atenção, brinque com ela.
Esteja presente, seja numa festa, num jogo de futebol, mas acima de tudo, esteja presente na vida dela, sempre.
Este é um tema de grande importância e, como técnica de intervenção precoce na infância e psicóloga, um dos meus enfoques de acompanhamento e intervenção das crianças e respetivas famílias. Vamos contribuir para que a criança se sinta segura, e quanto mais segura se sentir mais feliz será.

E não há nada melhor do que ver uma criança feliz e a sorrir.

Já fez a sua criança sorrir hoje?

Joelma Monteiro, Psicóloga da A2000

Notícias Relacionadas

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024
Skip to content