Depois da tempestade virá (de certeza) a bonança! Este ano é que vai ser…

António Ribeiro, presidente da A2000

O mês de janeiro deste ano 2021 revelou-se com agruras impensáveis e inimagináveis.

Este janeiro ficará marcado, para todo sempre, como o pior mês da pandemia da Covid-19 em Portugal. Efetivamente o número de infeções cresceu de forma desmesurada e imprevisível, fustigando milhares de pessoas e provocando enorme pressão nos hospitais.

Esta crise sanitária tem afetado praticamente todos. Contam-se se calhar pelos dedos das mãos o reduzido número de famílias que têm escapado ilesas à passagem da Covid-19, agora com variantes mais agressivas e com maior facilidade de propagação.

A situação atingiu números tão graves de infeção e de mortalidade (os piores do planeta) que o Presidente da República e o Governo de Portugal decretaram mais um período de confinamento obrigatório, o segundo em menos de um ano, caracterizado pelo “dever de recolhimento domiciliário”, com paragem forçada das escolas e das demais atividades presenciais das instituições e empresas, excetuando-se as atividades consideradas essenciais à vida imediata…

O quotidiano mudou tanto que mais parece estarmos no meio duma tempestade que teima em não passar. O convívio e a socialização estão proibidos, assim como praticamente todas as atividades presenciais. Num piscar de olhos passamos obrigatoriamente para o digital e o teletrabalho e, quase todas as atividades presenciais congelaram, por causa do “frio desta tempestade” que começou há um ano…

Este mês de janeiro também se iniciou, em paralelo, com a vacinação das pessoas, o que tem funcionado literalmente como injeções de esperança de que a tempestade irá abrandar ao longo do primeiro semestre, estimando-se a possibilidade gradual de se retomar da vida nos moldes pré-Covid.

A minha esperança é que, mais uma vez, esta tempestade sem precedentes, ao abanar as construções socioeconómicas contribua para fortalecer o espírito da solidariedade e humanidade. A minha esperança é que esta tempestade dispa definitivamente as pessoas dos preconceitos que limitam o desenvolvimento saudável da humanidade. Para isso é bom que esta tempestade tombe todas as construções preconceituosas e que não deixe pedra sobre pedra… e que a reconstrução seja definitivamente mais sólida e equitativa territorialmente, sem deixar ninguém para trás. É isto que pedimos para as centenas de pessoas que a A2000 apoia neste interior quase deserto.

Eu acredito que depois da tempestade virá (de certeza) a bonança! E que existe a forte possibilidade de o mundo se tornar bem melhor que antes. Estou convicto que este ano é que vai ser. Acredito que iremos ficar melhor, confio que a A2000 terá acesso a uma série de respostas sociais que fazem falta para a proteção e melhoria das condições de vida dos nossos clientes e famílias. Eu acredito!

António Ribeiro, Presidente da Direção

Notícias Relacionadas

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024
Skip to content