Fernanda Mesquita – Centro Social Recreativo e Cultural de Carlão

A Fernanda foi recentemente integrada profissionalmente no Centro Social Recreativo e Cultural de Carlão, através de um Contrato-Emprego Inserção + (CEI+)

Após ter sido sinalizada pelo Centro de Recursos para a Inclusão Profissional (CRIP) da A2000, a Fernanda foi avaliada primeiramente no âmbito da medida IAOQE (Informação, avaliação e orientação para a qualificação e emprego) do Centro de Recursos. Após término do acompanhamento de IAOQE, foi encaminhada para a medida de Apoio à Colocação, para encontrar uma ocupação profissional, e foi no Centro Social, Recreativo e Cultural de Carlão que encontrou a sua casa.

Na sua atividade profissional, a cliente sente-se satisfeita e motivado para realizar as tarefas no centro social. Quando questionada sobre as suas funções, a Fernanda refere que “ajuda a fazer a higiene aos idosos, faz a limpeza das instalações, coloca as mesas para as refeições e auxilia na refeição dos idosos.” É evidente o interesse e o empenho da Fernanda que menciona a tarefa de auxiliar os idosos na refeição como algo que mais gosta de fazer “Gosto muito dos meus velhinhos e de lhes poder ajudar para terem uma vida melhor”. Neste contexto, são visíveis melhorias significativas na autonomia e independência da cliente, as quais foram provocadas pela definição do seu percurso profissional. Reforça ainda que esta integração lhe trouxe muitos fatores positivos, pois sente-se ocupada e muito feliz. Apesar de alguns constrangimentos na sua saúde, menciona que “Gosto muito do que estou a fazer, gosto de todas as colegas e também da diretora, assim como da equipa da A2000 que me ajudaram a ter este emprego.”

Bárbara Alves de Melo, Diretora Técnica do Centro Social, refere a contratação da Fernanda de uma forma muito natural, uma vez que já não é a primeira vez que contactam com esta realização e com a inclusão de Pessoais Portadoras de deficiência.

Neste sentido refere como motivo principal a consciência inclusiva: “O CSRCC tem uma consciência inclusiva, sempre mostrou disponibilidade em contratar pessoas com deficiência e sempre teve em conta as suas necessidades no local de trabalho.

O CSRCC reconhece e percebe a necessidade de sensibilização dos seus recursos humanos, na medida em que o Centro se adaptou facilmente para receber candidatos com deficiência para trabalhar. Por esse mesmo motivo decidimos avançar com a medida, o CSRCC, sendo uma Instituição de cariz social procura o empoderamento e igualdade de oportunidades e de participação para todos.”

A adaptação da Fernanda às rotinas e exigências do trabalho diário foi um aspeto bastante positivo elencado pela Diretora Técnica no âmbito deste processo: “Na minha perspetiva e de acordo com a informação prestada pela colaboradora, esta adaptou-se muito bem à dinâmica da instituição. A Fernanda tem adquirido competências como a autonomia, tomada de decisão e aceitação de instruções, responsabilidade, autoestima, capacidade de adaptação ao contexto externo e de resolução de problemas, pois o CSRCC tem o cuidado de fazer acompanhamento da trabalhadora no local de trabalho conforme as necessidades e exigências da função a desempenhar pela Fernanda, estas práticas são um elemento facilitador e integrador da pessoa com deficiência. “

Também o apoio da A2000 foi elogiado pela Diretora Técnica, consciente da necessidade de criar mais oportunidades a pessoas com deficiência ou incapacidade, em prol da sua qualidade de vida. A A2000 tem um papel simplificador através do suporte social (disponibilização de recursos, apoio emocional) e autonomização da PCDI.

Bárbara de Melo finaliza esta entrevista, reforçando a mais-valia de contratação de pessoas com deficiência: “O CSRCC deixa aqui um pouco da experiência de trabalho com PDCI, desde que a Fernanda integrou a equipa de trabalho que a diversidade da força de trabalho contribuiu para um maior crescimento e capacidade de inovação, criando ambientes de trabalho mais agradáveis e produtivos na IPSS. Apesar de termos uma consciência inclusiva, sabemos que o CSRCC ainda tem um longo caminho a percorrer para combater preconceitos e estereótipos com as PCDI, no entanto, temos provas que com a inserção da Fernanda no trabalho do Centro Social estas barreiras são ultrapassadas e que a IPSS ganhou diversidade e uma maior consciência social.”

Fátima Teixeira,

Técnica de Apoio

Notícias Relacionadas

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024
Skip to content