Impacto da pandemia na economia portuguesa

Imagem ilustrativa do tema do texto, em que aparece uma calculadora, caneta, gráficos e desenhos de vírus a pairar sobre a mesa onde estão todas as coisas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) atribui o nome de Covid-19 à doença provocada pelo novo coronavírus SARS-COV-2 que pode causar infeção respiratória grave como a pneumonia.

Esta doença surgiu no final de 2019 na cidade chinesa de Wuhan.

O impacto social, cultural, intelectual e económico é brutal e as consequências definitivas ainda estão por apurar.

No que diz respeito à economia portuguesa, antes de surgir a pandemia, esta estava em franco crescimento.

A taxa de desemprego estava ao nível mais baixo desde 2002 (6,5%), os salários reais (poder de compra) tinham crescido 2% em 2019 e, pela primeira vez em 50 anos, o saldo orçamental foi positivo. Ao mesmo tempo que a dívida pública, embora ainda elevada, seguia uma tendência claramente descendente.

No setor bancário o crédito malparado caiu de 15,5% em 2015 do crédito total para 6,5% em 2019, o que evidencia que Portugal estava gradualmente a corrigir as suas fragilidades sociais e económicas.

Face a este cenário eis que surge a pandemia do novo coronavírus e o clima económico deteriorou-se rapidamente, pois os efeitos severos do confinamento fizeram-se sentir nas empresas, no emprego, nos rendimentos e consequentemente no consumo.

Mais de 100 mil empresas (empregando 1,3 milhões de pessoas) candidataram-se ao regime de layoff temporário simplificado, aumentado assim o número de famílias carenciadas.

O desemprego aumentou drasticamente em alguns setores, nomeadamente a hotelaria, a restauração e o turismo, o que provocou uma diminuição do rendimento disponível dos portugueses e, consequentemente, uma pressão acrescida sobre o estado social.

A combinação de uma elevada incerteza face ao futuro, da destruição de postos de trabalho e da queda do rendimento disponível dos portugueses teve como resultado a forte redução do consumo.

Podemos esperar que as coisas voltem ao que eram, mas esperança não é estratégia.

Em vez de lamentar o que se perdeu temos de assumir o desafio e usar as nossas melhores competências, esforços e recursos para reconstruir.

Isabela Lima, Formadora da A2000

Notícias Relacionadas

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024
Skip to content