Integração Profissional

Carlos Martins no Museu do Douro

Carlos Martins

O Carlos Martins é natural do Peso da Régua, tem 50 anos de idade e encontra-se profissionalmente integrado na Fundação Museu do Douro ao abrigo de um Contrato de Emprego-Inserção + (CEI+).

Depois de um acidente de viação em 2002 o ter colocado numa cadeira de rodas e suspenso a sua atividade profissional, o Carlos está de volta ao ativo, e depois de quase duas décadas de inatividade profissional, reencontrou uma oportunidade de trabalho na Fundação Museu do Douro. “Tive um acidente de viação em 2002 que teve um impacto enorme na minha vida pessoal e profissional. Entre a fisioterapia e a reabilitação, que exigiram um período muito longo de recuperação, acabei por ficar, desde esse período, sempre em casa, com exceção de um curso de informática que tirei em 2014”, começou por contar, a propósito de um período difícil que viveu na sua vida, mas que recentemente entrou numa nova etapa. “Estar durante tanto tempo em casa estava a debilitar a minha saúde em geral, e para mudar a minha situação estava a ser acompanhado pelo Centro de Apoio à Vida Independente (CAVI) de Vila Real, até que a pandemia começou e atrasou tudo. Passaram todos aqueles meses de incerteza e os dois confinamentos até que, na parte final do Apoio à Colocação, consegui a minha integração aqui no Museu do Douro”, declarou, bastante satisfeito.

Com uma atividade profissional antes do acidente que o levou a adquirir um maior conhecimento sobre o Douro e a região, o Carlos Martins sente-se agora no lugar certo para desenvolver as suas capacidades. “Neste momento, o meu serviço principal passa pela receção e acolhimento dos visitantes mas a intenção é preparar-me para, dentro de algum tempo, servir de guia às exposições, tanto a permanente como as temporárias. Como gosto de desafios e tenho muita vontade de trabalhar e mostrar as minhas capacidades, acredito que estarei à altura destas tarefas até porque, como antes do acidente trabalhava como chef de cozinha nos barcos da Douro Azul, adquiri conhecimentos sobre o Douro, por exemplo, que hoje me podem ser úteis”, referiu, ao mesmo tempo que explicou as suas tarefas na Fundação, no início de uma fase bem mais feliz na vida de um cidadão que procura reencontrar o seu espaço no mundo do trabalho, e está disposto a dar o seu melhor para a aproveitar. “Adaptar-me a este novo ritmo de vida é o mais fácil para mim. Além do convívio social que a minha atividade me proporciona, faz-me bem em termos de bem-estar, porque ficar em casa desocupado estava a fazer-me mal a todos os níveis. Agora, sinto-me mais feliz e realizado por fazer algo de que gosto, e tenho que agradecer muito à A2000 pelo facto de ter feito tudo para que esta integração se tornasse uma realidade, além de me sentir muito agradecido pela colaboração estreita que sempre foi prestada”.

Para Luís Carvalho, coordenador financeiro da Fundação Museu do Douro, a possibilidade de dar uma oportunidade a alguém que muito a quis e procurou, aliada à exploração de potenciais mais-valias do Carlos, levaram a instituição a dar início a mais este capítulo de parceria com a A2000 no âmbito da integração profissional de pessoas com deficiência ou incapacidade (PCDI).

“Pessoalmente, uma das coisas que a pandemia mais me ensinou foi a maior capacidade de me colocar no lugar do outro, mais concretamente nos casos em que as pessoas enfrentam diariamente obstáculos à sua mobilidade para realizar tarefas da sua vida diária, o que nos aconteceu a todos nos tempos de pandemia. A isto acresce uma responsabilidade social que a Fundação Museu do Douro tem patente na sua forma de estar e funcionar que, com a parceria que temos com instituições como a A2000, tem possibilitado uma série de integrações de PCDI’s na nossa estrutura. E a história do Carlos, marcada por um episódio na sua vida que o levou a enfrentar grandes dificuldades mas a desenvolver uma notória vontade de mostrar do que é capaz, levou-nos a considerar que existia aqui uma potencial mais-valia para a organização, que agora vamos desenvolver”, referiu.

E ainda agora o trajeto começou, e já o coordenador financeiro identificou aspetos muito positivos desta integração. “Uma das grandes preocupações que tivemos foi garantir um adequado acolhimento do Carlos não só nas equipas e tarefas desenvolvidas, como também na criação de condições que lhe permitissem o máximo de conforto na circulação entre os vários espaços do edifício. E curiosamente, até nisso estamos a sentir melhorias pois o Carlos tem-nos ‘ensinado’ a adaptar certos espaços a todo o tipo de necessidades, para que possam ser usufruídas por quem as usa. Para podermos adaptar os nossos acessos ou até condições nas casas-de-banho, nada melhor do que ouvirmos as perspetivas de quem usufrui dessas adaptações para que possamos fazer os melhoramentos necessários ao acolhimento e conforto de toda a gente que nos visita”.

Já em relação às tarefas propostas, Luís Carvalho aposta num conjunto de atividades que promovam a evolução profissional do Carlos enquanto colaborador, e acredita que ele estará à altura do projetado. “O desafio que lançámos ao Carlos, de apresentar a exposição permanente e as temporárias, faz parte de uma lógica de promoção da realização pessoal e desenvolvimento de competências que passa por desafiar as pessoas a superarem-se, e não a serem acolhidas sem que sejam avaliadas pelo cumprimento de desafios que sejam propostos. Sendo uma pessoa comunicativa, de diálogo fácil e grande capacidade de aprendizagem, o Carlos tem características que o tornam apto para apresentar ao público os conteúdos da apresentação de uma exposição, em português, daquilo que é a região e o Museu do Douro. Nesse sentido, vamos facultar ao Carlos todo o tipo de informações e conhecimentos dos guiões das apresentações, para que dentro de algum tempo o Carlos consiga conduzir uma visita guiada, numa lógica de cada vez maior autonomia. E acreditamos que ele irá cumprir o desafio de forma bem conseguida, estando aqui nós para o ajudar no que for necessário”, concluiu.

Ana Augusto e Gonçalo Novais,

Técnicos

Notícias Relacionadas

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024
Skip to content