IPI – O Regresso – Novo Ano Letivo

Imagem em forma de desenho animado com mochila, quadro, lápis de escrever, uma maçã e uma bola de futebol

Acabaram-se as férias, o novo ano letivo está a começar e as Equipas Locais de Intervenção Precoce – ELI’s, retomam o seu trabalho.

Para se alcançar a qualidade da intervenção em IPI (Intervenção Precoce na Infância), é fundamental que os profissionais disponham de uma metodologia de intervenção comum, que respeite as práticas recomendadas, de forma a assegurar maior eficácia no trabalho, junto das famílias e das crianças dos 0 aos 6 anos, abrangidas pelo SNIPI (Sistema Nacional de Intervenção precoce).

Para este efeito, entre outubro de 2014 e março de 2016, decorreu o Projeto Im– Intervir Mais, intervir Melhor, que teve como objetivo principal a elaboração e publicação de um guia metodológico denominado “Práticas Recomendadas em Intervenção Precoce na Infância: Um Guia para Profissionais”. Este guia pretende proporcionar um quadro de referência comum orientador dos profissionais de IPI e contribuir para práticas mais eficazes e, maior sucesso no empowerment (capacitação) das famílias e na qualidade de vida das crianças.

Assim, este guia pretende ser “um instrumento útil e acessível a todos os profissionais de intervenção precoce, nos diferentes níveis do sistema (técnicos das equipas de intervenção, responsáveis pela coordenação de serviços, formação e supervisão), mas também às famílias das crianças apoiadas pela IPI, bem como a todos aqueles que se interessam por esta área de intervenção”().

É dividido em 3 partes, e cada parte, é constituída por vários capítulos:

Parte I – Intervenção Precoce na Infância: Dos Neurónios ao Contexto Familiar e Social

– A intervenção precoce na infância e sua relevância na promoção do desenvolvimento;

– Intervenção precoce em Portugal – um processo em constante evolução.

Parte II – Práticas Recomendadas em Intervenção Precoce na Infância

– A abordagem centrada na família: princípios orientadores para a intervenção precoce na infância;

– O processo de intervenção centrado na família;

– Um sistema integrado de intervenção precoce na infância: colaboração intersectorial e transdisciplinar;

– A avaliação de programas de intervenção precoce na infância.

Parte III – Oportunidades de Desenvolvimento Profissional

– Formação – construindo conhecimentos, competências e atitudes para melhor intervir;

– Supervisão – para uma relação de confiança e promotora de desenvolvimento em IPI.

“Toda a teoria deve ser feita para poder ser posta em prática e toda a prática deve obedecer a uma teoria (…). Na vida superior, a teoria e a prática completam-se. Foram feitas uma para a outra.” (Fernando Pessoa, 1926)

Nas próximas edições desta newsletter continuaremos a explorar este guia.

(1)- “Práticas Recomendadas em Intervenção Precoce na Infância: Um Guia para Profissionais, é um dos produtos desenvolvidos no âmbito do Projeto Im2 – Intervir Mais, Intervir melhor, promovido pela Associação Nacional de Intervenção Precoce (ANIP), com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG)”.

Vânia Pereira, Técnica de Serviço Social

Notícias Relacionadas

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024
Skip to content