Maio – Uma nova realidade de reencontros e adaptações

Técnicos da A2000 visitam clientes do CAARPD e Espaços de Convívio às suas casas

Entre momentos emocionantes de reencontros presenciais, e exigentes adaptações ao funcionamento dos seus serviços, é com determinação e máxima organização que a A2000 prepara o regresso a uma fase de «normalização» do funcionamento das suas respostas sociais, bem como a retoma de um trabalho de qualidade em prol da região.

Os tempos inéditos vividos por força de uma crise sanitária global levaram a uma adaptação rápida do funcionamento de serviços como os Espaços de Convívio e o CAARPD, com o confinamento ditado pelo estado de emergência a inaugurar a implementação de novas dinâmicas de contacto com os clientes.

Nesse âmbito, o recurso às novas tecnologias foi um instrumento privilegiado de contacto e manutenção do vínculo entre os técnicos da A2000 e os clientes, conforme explicou, relativamente ao CAARPD, a psicóloga Olinda Coutinho. “As restrições provocadas pela pandemia levaram-nos a uma situação inteiramente nova, em que tivemos de mostrar capacidade para, num curtíssimo espaço de tempo, ajustar todos os nossos serviços a um contexto que substituiu o contacto presencial pela interação à distância. Foi uma situação bastante desafiadora, na medida em que nos obrigou a desenvolver capacidades de gestão e execução de atividades a um nível nunca antes experimentado, mas que foi compensador pela evolução que nos obrigou a fazer”.

E este desafio passou por desenvolver atividades para pessoas com deficiência e incapacidade através do recurso ao mundo digital, que a psicóloga explicou. “Durante os tempos de confinamento, recorremos a um grupo no facebook, especialmente concebido para a partilha de atividades ligadas ao CAARPD, como meio privilegiado não só de contacto com os clientes e famílias, como de desenvolvimento de atividades que eram propostas pelos técnicos da A2000 através de vídeo, que eram depois realizadas pelos nossos clientes em vídeos que eles nos deveriam enviar. E a verdade é que a dinâmica gerada por essas atividades foi tão grande que, a dada altura, senti-me realizada por ver que fui capaz de, em conjunto com as minhas colegas de serviço, manter viva e até reforçada a dinâmica deste grupo”, confessou, a propósito de uma tarefa extremamente exigente, mas exemplarmente cumprida.

No referente aos Espaços de Convívio, o técnico da A2000, Daniel Carvalho, sublinhou o sentimento da falta que estes fazem à vida dos clientes, em função da suspensão temporária devida à pandemia. “Durante o período de confinamento foram realizados telefonemas regulares aos vários clientes para saber como é que eles estavam e que medidas de segurança é que vieram a adotar. Daqui o que ficou claro foi o incómodo face às mudanças drásticas que esta nova realidade os obrigou a tomar, retirando uma série de hábitos que há muito se tornaram rotineiros, como é o caso das atividades dos Espaços de Convívio. Desta feita, ficou espelhada a saudade deste tipo de contacto, bem como de tudo o que tornava o dia-a-dia normal. Aliás, o reconhecimento da falta que os Espaços de Convívio fazem é transversal. É uma tarde por semana que permite, não só um convívio saudável entre clientes e técnicos, mas também uma troca constante de experiências e emoções. O impacto é mais que significativo e todos os clientes reconhecem o contributo em prol do seu bem-estar”.

Este sentimento de saudade e de falta de um espaço agradável de confraternização foi também realçado pela técnica da A2000, Paula Conceição, que sublinhou a importância dada pela A2000 à manutenção de um contacto próximo e permanente com estes clientes, durante o período de confinamento, e a enorme alegria gerada pelos primeiros contactos presenciais. “Eu estava ansiosa por contactar presencialmente com os nossos clientes, primeiro porque eu própria sentia necessidade disso, e depois porque era algo que se notava que eles ansiavam. Todos, sem exceção, adoraram as nossas visitas e, acima de tudo, a preocupação que demonstrámos ter por eles, quer nos telefonemas e contactos, também pelas redes sociais ou sms, que regularmente fizemos, quer obviamente pelo facto de os visitarmos. Alguns referiam-no com orgulho mencionando comentários e conversas tidas com vizinhos e/ou conhecidos, tais como “…são os do curso que ligam a saber de mim, é verdade…”, ou “…os da A2000 ligam sempre…”. No fundo, todos sentiram o nosso apoio numa fase em que tinham medo, angústia, solidão. O nosso contacto lembrava-os do quanto eram felizes antes, e acho que, como em tudo, acabaram por valorizar mais o que já tinham, pelo que anseiam pelo regresso às atividades. E nós, técnicos, acabamos por ser parte da família, e uma parte que os faz felizes. Vim de coração cheio pelas conversas e reencontros que tive com cada um deles, e em cada gesto, em cada olhar, em cada palavra trocada, consegui vislumbrar o carinho, admiração e amor que têm por nós”.

Gonçalo Novais, Técnico da A2000

Notícias Relacionadas

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024
Skip to content