Não deixar para amanhã o que se pode (e deve) fazer hoje…

António Ribeiro, presidente da A2000

Nunca tanto como agora a frase, “não deixar para amanhã o que se pode (e deve) fazer hoje”, fez tanto sentido. E não é porque andamos mais depressa ou mais devagar que antes, mas sim pela incerteza do imediato, da imprevisibilidade do que pode acontecer já a seguir…!

Ora vejamos, desde meados de março de 2020 que temos a atazanar-nos uma pandemia, decretada pela Organização Mundial de Saúde, provocada pela doença Covid-19, e, desde aquela altura, que o mundo todo está virado do avesso. A facilidade e a velocidade com que se propaga este vírus da Covid-19 deve realmente criar em nós o alarme suficiente para cumprirmos escrupulosamente as orientações e determinações das autoridades de saúde: distanciamento social, desinfeção constante das mãos e o uso de máscaras, para além doutras regras mais específicas, conforme a atividade onde nos inserimos.

Desde meados de março de 2020 que, praticamente por todo o mundo, assistimos impotentes ao confinamento da população e ao fecho da atividade económica, com exceção do fornecimento dos produtos alimentares, medicamentos e outros produtos básicos. Toda esta mudança, sem precedentes, teve impactos profundos na vida de toda a gente e, até arrisco dizer, que não existe ninguém que não tenha sido afetado.

Passaram-se cerca de 4 meses e não se vislumbra que a vida volte a ser como era antes da Covid-19. Efetivamente, temos que manter uma série de comportamentos e atitudes a que fomos obrigados, como garantia da nossa saúde e de quem nos é mais próximo, mas também da saúde dos outros!

De uma hora pra outra quem não estava infetado passa a estar, as pessoas que testavam negativo passam a testar positivo e este vírus ataca qualquer um… e continuam a crescer as mortes provocadas pela Covid-19, de tal forma que passou a ser a principal causa de morte no mundo. Para além disso ainda estão por esclarecer uma série de sequelas nas pessoas que tiveram Covid-19 e já estão curadas.

É por esse motivo que não podemos “deixar para amanhã o que se pode (e deve) fazer hoje”, sob pena de não termos tempo. Portanto, salvo melhor opinião, convido-vos a retomar de imediato, com as devidas precauções e de forma gradual as atividades do nosso dia-a-dia, mesmo que isso signifique uma realidade diferente e uma nova normalidade.

Não vamos deixar para depois, não vamos deixar para amanhã… vamos fazer hoje!

António Ribeiro, Presidente da Direção

Notícias Relacionadas

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024

Doador do mês de maio

10 de Maio, 2024
Skip to content