O Autismo e a Importância de Estarmos Atentos aos Sinais  

No passado dia 2 de abril, celebrou-se o Dia Mundial da Consciencialização sobre o Autismo e, nesta edição, não podíamos deixar de assinalar esta data. O que se pretende é explicar de forma simples em que consiste esta perturbação, para que todos a possam compreender melhor e para que juntos possamos fazer parte de uma mudança positiva.

A Perturbação do Espectro do Autismo (PEA) é uma perturbação neurológica complexa, que geralmente é diagnosticada na infância, e que afeta três áreas principais do desenvolvimento: a comunicação, a interação social e o comportamento.

Vamos compreender de forma mais detalhada quais os sintomas associados a cada uma:

Comunicação

· Dificuldade em compreender e usar a linguagem;

· Ausência da fala por absoluto ou riqueza de vocabulário, mas dificuldade em compreender o significado das palavras;

· Dificuldade em iniciar e manter uma conversa;

· Repetição do que lhe dizem (ecolalia);

· Dificuldade em entender o tom de voz;

· Ausência de contacto ocular;

· Não responder quando é chamado pelo nome;

· Não usar gestos.

Interação Social

· Isolamento social;

· Recusar o contacto físico;

· Dificuldade em estabelecer e manter relacionamentos;

· Dificuldade em compreender e seguir as normas sociais;

· Não compreensão das regras sociais não-verbais, como a linguagem corporal e as expressões faciais;

· Dificuldade em compartilhar interesses e atividades com os outros.

Comportamento:

· Interesses intensos e restritivos a certos assuntos ou objetos;

· Resistência à mudança nas rotinas ou no ambiente;

· Hipersensibilidade ou insensibilidade a estímulos sensoriais;

· Sensibilidade a certos sons e texturas;

· Presença de comportamentos repetitivos e rotineiros;

· Presença de birras excessivas.

É importante lembrar que cada indivíduo com PEA é único e que os sintomas e a sua gravidade podem variar amplamente, sendo a designação “espectro” atribuída por este motivo.

Embora as causas da PEA não sejam totalmente compreendidas, há consenso entre os investigadores sobre a influência da combinação de fatores genéticos e fatores ambientais no desenvolvimento desta condição.

A principal mensagem que gostaríamos de passar aos leitores é que, embora esta perturbação de desenvolvimento persista ao longo da vida, os sintomas podem melhorar com o tempo, com intervenções e tratamentos adequados e ajustados a cada criança. Desta forma, é crucial estarmos atentos aos sinais para que o diagnóstico seja realizado o mais precocemente possível. Uma intervenção atempada pode fazer a diferença!

A contribuição para uma sociedade mais informada, promovendo a consciencialização sobre a Perturbação do Espetro do Autismo, permite ajudar a construir um ambiente mais justo e inclusivo para estas crianças e as suas famílias.

(Na próxima newsletter daremos continuidade à temática da Perturbação de espectro de Autismo.)

Patrícia Botelho,

Psicóloga

Notícias Relacionadas

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024
Skip to content