Tiago Oliveira – Carpintaria Jolcaz

Inicialmente integrado na medida IAOQE (Informação, avaliação e orientação para a qualificação e emprego) do Centro de Recursos para a Inclusão Profissional (CRIP) da A2000, o Tiago foi posteriormente encaminhado para a medida de Apoio à Colocação, de forma a desenvolver as suas competências pessoais, sociais e profissionais.

Visto o cliente ter efetuado um estágio no âmbito da formação profissional na Carpintaria Jolcaz, foi nesta entidade que encontrou a possibilidade de realizar formação prática em contexto de trabalho. Em virtude do seu desempenho satisfatório e da sua postura humilde, o Tiago encontra-se atualmente inserido no mercado de trabalho através de um Contrato Emprego Apoiado em Mercado Aberto (CEAMA) na empresa supracitada.

O cliente mostra-se muito feliz e grato com a sua atividade profissional, manifestando-se motivado e orgulhoso das mudanças positivas que tem alcançado na sua vida. O Tiago refere que, na carpintaria, executa diversas tarefas, descrevendo-nos algumas delas com bastante satisfação – “lixo caixas, gravo peças de madeira na máquina de laser, monto os fundos das caixas, limpo o armazém e ajudo a cortar a madeira nas máquinas apropriadas”. Aponta, ainda, que se sente bem acolhido por toda a equipa de trabalho (“sinto-me bem, os colegas e o chefe gostam muito de mim”).

O Tiago entende que “ter um trabalho é muito importante”, evidenciando que esta esfera da sua vida se eleva como fundamental para o desenvolvimento da sua autonomia e independência (“tenho dinheiro para as minhas coisas e posso ajudar a minha mãe com as despesas de casa”). Para além disto, menciona que procura melhorar continuamente o seu desempenho, pois “gostava de aprender a cortar, podendo evoluir com calma e dedicação”.

Pedro Azevedo, Sócio-Gerente da Carpintaria Jolcaz, refere que a contratação do Tiago através de uma medida ativa de emprego destinada a pessoas com deficiência e/ou incapacidade foi facilitada pela equipa técnica da A2000, estando “muito satisfeito com todo o acompanhamento e disponibilidade que foram dados. Ainda bem que existem, pois sem vocês não teria cá o Tiago”. Salienta, em acréscimo, que a sua entidade tem “a responsabilidade social de acolher integrar profissionalmente pessoas com menos capacidade”, considerando que o Tiago “merece ter esta oportunidade”.

Apesar de a adaptação do Tiago às rotinas laborais não ter sido um processo fácil, o responsável aponta que “ao longo do tempo, ele foi evoluindo e melhorou significativamente, estando já habituado ao que tem de fazer”.

Desta forma, Pedro Azevedo descreve esta integração profissional como uma mais-valia para todos os colaboradores, permitindo que possam “aprender como tratar as pessoas com mais dificuldade de forma mais sensível”. Para além disto, indicou que o Tiago “é bastante útil na carpintaria, porque consegue fazer algumas tarefas de forma autónoma”, destacando que o cliente “é um rapaz muito humilde e querido por todas as pessoas que trabalham na Jolcaz”.

Por fim, Pedro Azevedo finaliza esta entrevista com uma mensagem de sensibilização direcionada a outras empresas, no sentido de promover a autonomização e inserção socioprofissional de PCDI: “Vale a pena arriscar e dar uma oportunidade a este tipo de público, porque são pessoas úteis e importantes para crescermos”, sublinhando que a sua experiência tem sido benéfica e positiva para todos os envolvidos.

Margarida Ferreira Pinto,

Psicóloga

Notícias Relacionadas

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024

DOADOR DO MÊS DE JULHO

10 de Julho, 2024
Skip to content